22 dezembro 2013

Mudança de lado

Quando divulgada, no mês passado, a lista de jogadores que vão defender o CAD em 2014 tinha poucos nomes já conhecidos pelos torcedores do clube. E um deles estava marcado na memória dos guarapuavanos justamente pela dor de cabeça que costumava trazer. Estava. Antes mesmo de estrear com a nova camisa, o ala Adeírton já conseguiu apagar a rivalidade antiga e se tornou esperança de títulos para a próxima temporada.

A história de Adeírton no Cascavel começou junto com a rivalidade entre o clube do Oeste do Estado e o de Guarapuava. Na sua primeira temporada pela Serpente, o ala ajudou seu time a chegar à final do Paranaense 2010, contra o CAD, que acabou vencendo. No ano seguinte, as duas equipes voltaram a se enfrentar, na semifinal, mas o resultado foi o inverso, muito graças à atuação do atleta.

Depois disso, o ala de 29 anos ainda teve bom papel em jogos memoráveis entre os rivais. Mas a vilania de outrora parece ter sido esquecida assim que o jogador aceitou o convite para defender o Guarapuava.
“Eu fiquei impressionado com a educação e com o carinho dos guarapuavanos comigo desde que eu fui anunciado. O pessoal me mandou mensagem pela internet, me desejando boa sorte e elogiando”, revelou Adeírton, que não teme resistência por parte da torcida.

“Os dois times realmente se tornaram rivais. Quando souberam que eu vinha para o CAD, as pessoas de Cascavel brincaram que eu poderia ter ido para qualquer clube, menos para Guarapuava. Mas isso fica mais na brincadeira. No fundo, os torcedores sabem que somos profissionais”, completou o atleta, que passa férias em Fortaleza (CE), sua cidade natal.

Depois de fazer história na Serpente, com quatro finais e dois títulos paranaenses, o atleta espera fazer o mesmo no Guarapuava. E, se depender da empolgação do jogador, as chances são grandes já em 2014.
Adeírton agradeceu o status de grande reforço do elenco para a próxima temporada. No entanto, negou que será o protagonista da equipe, devido à qualidade dos futuros companheiros. Ele disse conhecer boa parte do grupo.



(Douglas Belan)