27 maio 2014

Marquinhos Xavier fala de sua despedida: “Jamais esquecerei"

Durante os cinco anos e meio que esteve em Marechal Rondon no comando da Copagril Futsal, foram inúmeras as entrevistas que o site Olhonabola fez com o técnico Marquinhos Xavier, ora para falar sobre as conquistas (e também derrotas), ora para comentar as mudanças de elenco e fazer os balanços nos finais de temporadas.

Desta vez, Xavier fala em tom de despedida, após anunciar no dia 22 seu desligamento do time rondonense para assumir o comando do Carlos Barbosa, o time mais tradicional do futsal brasileiro. Veja o que falou um dos principais responsáveis por elevar a marca Copagril a um lugar de destaque no cenário nacional antes de sua mudança para o Rio Grande do Sul.

Marquinhos, quando você chegou a Marechal Rondon no início de 2009, você poderia imaginar que ficaria por tanto tempo no comando da Copagril?

Marquinhos Xavier: Não, confesso que não imaginava. Mas felizmente tudo ocorreu de forma muito especial e eu acabei tendo a oportunidade de permanecer tanto tempo.

Foram mais de 370 partidas como técnico da Copagril, tendo como principais conquistas dois títulos paranaenses, em 2009 e 2013, e os vice-campeonatos da Liga Futsal, em 2010, da Superliga, em 2011, e da Chave Ouro em 2012, a conquista da Copa dos Campeões do Paraná em 2014. Para você, quais foram os momentos mais especiais em todos esses anos?

Marquinhos Xavier: Poxa, uma resposta muito difícil, foram tantos que vivi em todos eles que achar um especial é quase impossível. Mas a conquista em 2009 e a Liga em 2010 marcaram nossa trajetória no futsal paranaense e brasileiro.

Sua trajetória como técnico de futsal se confunde com a história da Copagril no cenário nacional, já que em todas as Ligas foi você o técnico. Agora de saída, o que você prevê para o time rondonense na edição 2014 da Liga Futsal?

Marquinhos Xavier: Um ano muito bom novamente, a equipe tem qualidade técnica e condições de crescimento, com isso, todas as chances de realizar um Liga de destaque.

Quais são os principais legados que você acredita que irá deixar para o novo técnico da Copagril?

Marquinhos Xavier: Uma equipe que acredita muito no que faz, otimista e muito forte mentalmente, acredito que são elementos fundamentais para que se desenvolvam na sequência da temporada.

É inegável que treinar a ACBF, um dos times mais vitoriosos do futsal mundial, é um grande salto na carreira. Era um objetivo pessoal dirigir o time gaúcho?

Marquinhos Xavier: O meu grande objetivo sempre foi assumir grandes desafios, a ACBF realmente é uma grande referência, uma equipe de muita tradição. Por este motivo é inegável que isso irá agregar um valor profissional à minha vida. Mas é importante lembrar que todo grande desafio necessita de grande esforço, por isso, tenho muito por fazer para que esta minha passagem na equipe seja marcada por conquistas.

Na ACBF você irá comandar jogadores como Sinoê, Daniel, Jonathan, entre outros atletas já consagrados no futsal brasileiro. O que você pode falar do atual elenco da sua nova equipe?

Marquinhos Xavier: É uma equipe qualificada, tem uma mescla de jovens atletas com potencial técnico e os mencionados são atletas com experiência, o desafio será em unir estas características e produzir resultados.

Curiosamente, você vai dirigir uma equipe que sempre foi uma pedra no sapato da Copagril. Qual a chance de você 'deixar' o time de Marechal Rondon vencer o Carlos Barbosa para acabar com esse tabu?

Marquinhos Xavier: (risos) A Copagril já venceu a ACBF na Copa Gramado, o placar foi 3 a 1 na oportunidade, não existe tabu, então não tem porque ter minha interferência!

Se a tabela da Liga for mantida, no dia 26 de julho você volta a Marechal Rondon no comando da ACBF em jogo pela Liga. Não tem como imaginar outra recepção do torcedor rondonense que não seja a mais positiva, não é mesmo? Mesmo com um ou outro desafeto, o que é normal em qualquer lugar, a grande maioria dos torcedores da Copagril tem grande apreço por ti. Que mensagem você deixa para aqueles que sempre te apoiaram e aos amigos que você fez em nossa cidade?

Marquinhos Xavier: Será um reencontro muito difícil, mas também muito especial. Jamais irei esquecer os momentos que vivi ao lado do torcedor em Marechal, já citei que minha passagem na Copagril é a maior referência da minha vida profissional, por isso, a gratidão será sempre muito grande. Quanto aos ‘desafetos’ não tenho como prever nada, pois nunca nenhum deles se apresentou, se existiam ficaram sempre muito escondidos e ofuscados pelo brilho dos demais torcedores.



(Olho na Bola)