19 abril 2014

Mesmo com dificuldades, ACF garante que não ‘joga a toalha’

Após dias de incertezas sobre o futuro da ACF (Associação Cascavelense de Futsal), com a saída de 10 jogadores, na quarta-feira, alegando atrasos de salários e inúmeras reuniões entre diretoria, comissão técnica e atletas, o martelo que definiu a manutenção das atividades da equipe, consequentemente, a permanência na Chave Ouro do Campeonato Paranaense de Futsal, foi batido ontem (dia 17).

Apesar de a temporada já ter começado, ele é encarada como inicial a partir de agora para a ACF, que manteve oito atletas do elenco que disputou três jogos pelo estadual e já agregou mais quatro Jovens ao grupo de atletas. Seguem no time Valdair Júnior, Rafinha, Matheus Lima, Diego Souza, Airton, Fernando, Bruno e Felipinho, que formarão a base da equipe, pois os reforços serão jovens jogadores da cidade que terão, no máximo, 21 anos.

O comando técnico segue a cargo de Rogério Correa: “É o início de um projeto que tem olhos para 2015. Não temos mágoa alguma com quem saiu, até porque foi uma escolha deles, mas temos de olhar para frente”, diz o treinador.

O impasse que gerou a possibilidade de a ACF abandonar a Chave Ouro teve início com a prisão do presidente do time por suspeita de golpes aplicados na cidade. Com isso, os salários dos atletas ficaram atrasados, o que gerou a debandada em massa dos jogadores. Para manter a equipe na elite do salonismo paranaense, o empresário Marcos Delaberra assumiu interinamente a presidência com o aporte de um grupo de empresários da cidade, e se comprometeu em ajudar na continuidade das atividades da ACF.

- Não posso arcar com os salários atrasados, pois não tenho ciência do que se passava ente de eu chegar. Por isso, só me comprometo com o que acontecer daqui para frente. Não sei também como ficará a situação do presidente, mas creio que, se ele não retornar em 15 dias, deverá liberar para que eu assuma de forma definitiva. Daí sim, poderemos resolver as demais situações, inclusive a questão dos salários atrasados - diz Marcos, que assumiu a ACF para não deixar a história da equipe ser jogada fora depois das dificuldades que passou até chegar à Chave Ouro.

Além de Marcos Delabetta, presidente interino, a ACF confirmou ontem o nome de Valdir Ribeiro da Rosa como coordenador de logística. Os dois são amparados por mais empresários da cidade, mas também tem autonomia para gerir a equipe. Marcos é coordenador municipal dos Jogos Abertos e Jogos da Juventude do Paraná. E alguns dos atletas que representarão Cascavel nessas competições deverão também defender as cores da ACF na Chave Ouro do Paranaense. O importante é os jovens terem em mente que a competição é preparatória e válida para o crescimento como atleta, pois não será possível a ACF fazer frente às grandes forças do Paraná.



(JHoje)