11 dezembro 2014

Chave Ouro: FPF oficializou a classificação final e a artilharia

Neste começo desta semana, a Federação Paranaense de Futebol de Salão (FPFS) divulgou, por meio dos boletins oficiais 470 e 474/2014 as classificações finais e a artilharia da 20ª edição do Campeonato Paranaense de Futsal, Chave Ouro. De acordo com a entidade, a classificação final do estadual é a que segue:

1º COLOCADO - POKER GUARAPUAVA/GARDEN/OLEO LEVE
2º COLOCADO - MUFFATÃO/SOL DO ORIENTE/CASCAVEL FUTSAL
3º COLOCADO - CRESOL/MARRECO FUTSAL
4º COLOCADO - UMUARAMA FUTSAL
5º COLOCADO - COPAGRIL/SEMPRE VIDA/MARECHAL C. RONDON
6º COLOCADO - CIAGYM MARINGÁ/FUTSAL
7º COLOCADO - FOZ CATARATAS FUTSAL
8º COLOCADO - NOTAVEL MOVEIS/AMPÉRE FUTSAL
9º COLOCADO - KEIMA/OPERÁRIO FUTSAL
10º COLOCADO - SÃO LUCAS/GRUPO IVO
11º COLOCADO - LOJAS LM/CASALI/CAMPO MOURÃO/FECAM
12º COLOCADO - AEC/CAMIFRA/RPINFO/COOPERTRADIÇÃO
13º COLOCADO - ACF - ASSOC CASCAVELENSE DE FUTSAL

Números

Foram 131 jogos disputados, com 759 gols (resultando na boa média de 5,79 gols por partida). Os anfitriões venceram 57 vezes, contra 51 dos visitantes e 23 jogos terminaram empatados. A maior goleada aconteceu no jogo ACF 1x14 Cascavel, pela primeira fase. O maior número de gols em uma única partida aconteceu no mesmo jogo (15 gols), empatada com o jogo Copagril 13x2 ACF, também pela primeira fase. Por outro lado, apenas um jogo terminou sem gols: Marreco 0x0 São Lucas, realizado na última rodada da primeira fase.

Destaques positivo e negativo

Uma das principais características da Chave Ouro, nos últimos anos, tem sido grande equilíbrio entre as equipes participantes. Nesta edição porém, duas equipes destoaram da tendência das últimas temporadas: uma de modo positivo e outra de modo negativo.

O destaque positivo foi o campeão, Guarapuava Futsal, que fez uma campanha acima das demais, perdendo apenas um jogo em toda a competição (4x2 para o Marreco, em Francisco Beltrão, na primeira fase). Os guarapuavanos fizeram o maior número de pontos (63 em 26 jogos, 12 a mais que o segundo colocado, o Cascavel Futsal) e tiveram o melhor aproveitamento de pontos possíveis (81%). A equipe guarapuavana também teve o ataque mais positivo (100 gols marcados e média de 3,84 por jogo) e a menor média de gols sofridos (1,69 gols sofridos por partida).

Por outro lado, a decisão do arbitral, de não haver rebaixamento na competição deste ano, contribuiu para que algumas equipes ficassem com um nível muito mais baixo que as demais. Foi o caso da ACF que, com problemas financeiros, teve saída de jogadores logo após o primeiro mês de competição. Com isso, o time cascavelense degringolou no certame, terminando a primeira fase sem somar um ponto sequer. A ACF também teve o pior ataque (apenas 8 gols e média de 0,66 por partida) e a pior defesa (93 gols sofridos em 12 jogos disputados, média de 7,75 por jogo).

Artilharia

A briga pela artilharia seguiu acirrada até o último jogo da final. Simi Saiotti, do Guarapuava poderia ter alcançado o pivô Barbosinha, que defendeu o Marreco Futsal (18 gols) e vai vestir a camisa da Copagril no ano que vem, mas o pivô do time guarapuavano ficou com a vice-artilharia, com 17 gols, empatado com Banana, outro jogador que era do Marreco Futsal e está se transferindo para a Copagril.

Também se destacaram na artilharia o ala Éder, do Umuarama e o pivô Sidnei, ao Ampére, ambos com 16 gols marcados. Completam a lista dos principais artilheiros, Dilvo (Keima) e Rodriguinho (Ampére), com 13 gols; Arrepio (Cascavel), Marquinhos (Guarapuava), Rangel (Maringá) e Yuri (Umuarama), com 12 gols marcados; Diego Fávero (Guarapuava), Jamur (Guarapuava), Pedro (Umuarama) e Schneider (Umuarama), com 11 gols; André Maluko (Guarapuava), Caça (Cascavel), Márcio (Copagril) e Pirulito (Cascavel), com 10 gols anotados, conforme o boletim da FPFS.

Revelação

Além dos craques que mais balançaram as redes no decorrer da temporada, quem também se destacou, nesta edição, foi um dos responsáveis por evitar os gols. O goleiro Ale Falcone, do Guarapuava, foi uma das maiores revelações do futsal nacional em 2014. O atleta foi contratado para ser a terceira opção do time guarapuavano, mas, nos treinamentos, o jogador logo chegou à condição de segundo goleiro. A chance de virar titular veio com uma contusão do experiente Danilo Krüger, ainda na primeira fase, em partida contra o São Lucas. Ale Falcone assumiu a meta, e com boas atuações, seguiu como titular até o jogo final, na vitória de 7x2 sobre o Cascavel Futsal.

As boas atuações também chamou a atenção de outras equipes do futsal nacional. Em 2015, Ale vai vestir a camisa da tradicional equipe de Carlos Barbosa-RS.

Seis vezes campeão

A competição deste ano também consagrou o treinador Eduardo Pacheco Coelho, o Baiano, como maior vencedor da história da Chave Ouro. Agora o técnico (contratado pela equipe do Keima Futsal, de Ponta Grossa) soma seis títulos estaduais: quatro com a equipe de São Miguel do Iguaçu (1998, 1999, 2000 e 2002) e dois com o Guarapuava Futsal (2010 e 2014). Já o técnico Nei Victor, do Cascavel Futsal, é o segundo com maior número de títulos. Foram cinco conquistas, nos anos de 2003, 2004, 2005, 2011 e 2012 e quatro vice-campeonatos, nos anos de 2007, 2010, 2013 e 2014, todos pela equipe de Cascavel.

2015

Como não houve rebaixamento neste ano, as treze equipes que participaram na competição deste ano têm vaga garantida na temporada 2015. Da Chave Prata, já subiram os finalistas: Caramuru, da cidade de Castro, e Itaipulândia Futsal. Uma terceira vaga será definida entre as equipes de Dois Vizinhos e Assaí, no próximo sábado, quando se encerra a disputa da Chave Prata.

A expectativa, no entanto, fica por conta da confirmação ou não das equipes do certame. Isso porque, a ACF e o Ciagym Maringá, por exemplo, enfrentaram grandes dificuldades financeiras durante 2014 e passaram a ser dúvidas para a competição do ano que vem.



(Clique Esporte)

0 comments:

Postar um comentário